domingo, 13 de junho de 2010

Democráticos

Nossa gente é o penhor
De uma dívida sem igual
Que nos faz ser escravos
Em nossa terra natal
A miséria e o sofrer
Dominam o dia-a-dia
Que seria dessa gente
Se aqui fosse ausente
A tal da democracia?

Já venderam nossa luta
Nossos sonhos, nossos filhos
E a nossa pátria amada
É feita de maltrapilhos
Mas tudo está indo bem
Por isso o povo faz folia
Que seria dessa gente
Se aqui fosse ausente
A tal da democracia ?

Mataram o pai dos pobres
E o tacharam suicida
E a vilã corrupção
Desfila nas avenidas
Agora matam os pobres
Numa constante guerra fria
Que seria dessa gente
Se aqui fosse ausente
A tal da democracia?

Todo mundo se uniu
Para lutar pelo povão
Descobriram uma saída
Com a globalização
E pra torná-la “real”
Eles lutam com euforia
Que seria dessa gente
Se aqui fosse ausente
A tal da democracia ?

Com um texto decorado
E o branco colarinho
Dizem estar interessados
E até usam de carinho
Mas por trás da bela máscara
É absurda a hipocrisia
Que seria dessa gente
Se aqui fosse ausente
A tal da democracia ?

O Ninho

Velho ninho que em outrora
Servia de habitação
Acolhendo os passarinhos
Em busca de proteção
Já foi visto e admirado
Serviu de inspiração
Hoje jaz adormecido
Repousando neste chão.

Suas glórias já passaram
Hoje restam só saudades
Mas a tinta e o pincel
Lhe deram eternidade
Não foi obra do acaso
Ou tampouco do destino
Foi João teu nobre irmão
Artista, doce menino.

O ipê ainda chora
Sentindo saudade sua
Solitário é consolado
Pelo sol e pela lua
Quem te viu não te esquece
Quem não viu muito perdeu
Que beleza, quanto encanto
A natureza lhe deu.

CRONICA DO PENISDRIVE

SEXUALIDADE VIRTUAL

Imagens google















Eu estava na rede e o vento soprava. A brisa arrepiava-me e nessa atmosfera de inverno percebi que você me olhava num flerte gigabytico. Meu sistema operacional entesou meu penisdrive e expôs virilmente sua glande metálica. Senti o odor virtual de suas entradas USBs, que excitadas convidavam-me a navegar por suas ondas, a cabo, sem fio, a satélite.
Minha estrutura ainda fria em plena rede se animou com as possibilidades de um download e assim não pude me conter, deslizei por cada página de seu corpo, por documentos HTMLs e DOCXs, apreciei cada cantinho de seu corpo digital e lhe confesso... Ai meu Deus! Como fui feliz!!! Subtraíram-se os espaços, volatilizou-se o tempo, e em uma espécie de mágica fomos um...
Cai na vida e me viciei em seus encantos em pouco tempo andava devasso flertando a todos numa androginia virtual amando de site em site a todos os seus andrógenos habitantes. Mas minha devassidão me custou caro! Hoje vejo meu dispositivo infectado, e sofro com tantas DSTs (doenças Sistemáticamante transmissíveis), spyware, malwares, adwares, rootkits e tantos mais, me separando de você, impedindo nossa conexão. Mas meu machismo e sexinformatísmo desenfreado, não resistiu aos encantos que se pode ver.
Em tantos cantos há discursos eloquentes de brechas quentes de uma entrada USB ou PS2. Me enganei, fui mais longe do que me convinha e expus a nós dois, ao não usar preservativos (Avira, Adware, Combofix, MOD32, AVG).
Agora enfermo não me plugo ou me conecto, nem fico ereto, como é duro de dizer. Meu penisdrive está queimado e sem ter uso, tudo por que não fui fiel ao nosso amor. Eu me lembro do que me disse uma amiga, que brincava sem pudor, quem vê gabinete, nobreak, mouse e monitor, nem sempre vê HD e/ou processador.
Joguei no lixo nossas possibilidades e deletei sem nem pensar nossa conexão, mas eu preciso francamente lhe dizer que mesmo vivo eu já não vivo sem você.
Seu nome é lindo e não sai da minha mente, se fecho os olhos eu só consigo te ver, até o vento vem me repetir seu nome (Informática Internet Microsoft!!!) Seu nome é o canto que embala o meu viver.